domingo, 21 de agosto de 2011

Biblioteca Pública de Santa Catarina

R2N + Núcleo de Arquitetura (Marcelo Ursini)
Concurso nacional para remodelação da biblioteca existente.





Nossa proposta, visando atender os objetivos descritos no Termo de Referência, define dois eixos de intervenções principais que orientam o projeto: a reconfiguração física do edifício da Biblioteca e um novo arranjo programático. 

ACESSO
Pretende-se conferir com a nova disposição além de acessibilidade universal através de rampa com inclinação adequada, maior presença urbana ao edifício, deslocando-se para a esquina a escadaria de acesso que acomoda o desnível entre calçada e pavimento térreo.  A rampa nesta configuração não desempenha papel acessório, mas apresenta-se como caminho natural para o pedestre que vem na direção oposta à esquina.  

PRAÇA
Entre o movimento e agitação da rua e a calma e tranqüilidade proporcionada pelo ambiente da Biblioteca, oferece-se uma Praça que demarca gentilmente a transição entre estas duas atmosferas. Elevada e aberta em relação às ruas circundantes proporcionam uma pausa mesmo aos não usuários da biblioteca e abre espaço a eventos e pequenas exposições promovidas pela Biblioteca.

TORRE DE SERVIÇOS SUDOESTE
Embora o intereixo estrutural de 3,60m possa parecer modesto para as atuais possibilidades construtivas, o vão de 11,00 m entre pilares complementado por balanços laterais proporcionam alguma flexibilidade de uso e arranjos para as plantas dos pavimentos do edifício. A dificuldade de qualquer ampliação vertical como demonstram os pareceres disponíveis e possibilidade de maior ocupação do terreno, orientou nossa proposta de construção de uma pequena torre que concentrasse a circulação vertical, shafts e sanitários e liberasse totalmente os pavimentos de qualquer tipo de compartimentação. O fato de a Biblioteca localizar-se no polígono central permitiu que o recuo lateral fosse de apenas 1,50m (H/9).

ENVOLTÓRIA
Optou-se pela substituição das paredes, peitoris e elementos vazados que caracterizam as fachadas laterais por uma nova caixilharia em alumínio nos moldes da que veda a fachada frontal. Uma pele constituída por painéis de chapa metálica perfurada convenientemente afastada da vedação em vidro proporciona correta proteção em relação à insolação, regula termicamente as fachadas, evitando dispêndio de energia com o sistema de climatização. A homogeneidade no tratamento das fachadas reforça a idéia de volume em detrimento à hierarquia anterior entre fachada principal e fachadas secundárias.

PROGRAMA
Área de eventos, auditório e café deveriam, conforme Termo de Referência, formar um conjunto de espaços que pudessem ao mesmo tempo apoiar e complementar as atividades da Biblioteca e funcionar de forma independente dela. A Coleção Santa Catarina e Obras Raras poderiam formar um conjunto de acesso mais restrito quando comparados ao público da Coleção Geral e Literatura. Relacionando-se afinidades e características quanto ao público alvo, restrição de acesso e dinâmicas de uso percebeu-se que o Setor Infanto- Juvenil deveria se localizar isolado dos demais setores da Biblioteca por caracterizar-se pelo dinamismo das atividades ali promovidas.  Optou-se, desta maneira, pela acomodação deste setor logo no térreo, contaminando a Praça com a alegria e colorido das atividades infantis. O auditório, então, ocupou o primeiro pavimento juntamente com o setor administrativo, mas manteve ligação direta com a área de eventos através de generosa escada que da Praça acessa o Foyer/Varanda debruçado sobre a Rua Tenente Silveira.









Atualmente


Nenhum comentário:

Postar um comentário